sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

Feliz Natal

Gostava de desejar a todos os leitores do Post it! Music um excelente Natal. Independentemente daquilo que esta época representa para vocês, é sempre uma boa desculpa para estarmos com a família, com aqueles de que mais gostamos ou apenas porque ha prendas para dar e receber.
Seja como for, sejam felizes.
Published with Blogger-droid v1.6.5

domingo, 19 de dezembro de 2010

Música de Natal - John Lennon - Happy Christmas (War is Over)

sábado, 11 de dezembro de 2010

Música de Natal - Susan Boyle - Silent Night



Quase todos os dias uma música de Natal diferente.

NOTÍCIA - Da Weasel chegam ao Fim

 
É com pena que se vê acabar uma das bandas portuguesas mais bem sucedidas dos últimos anos. Em actividade desde 1993, os Da Weasel anunciaram esta semana a sua extinção enquanto banda, após 6 álbuns e 2 DVDs lançados.


Leia o comunicado aqui e recorde uma música das mais famosas da banda.

Dialectos da Ternura

Mike + The Mechanics - Over My Shoulder



Peço desculpa por estes dias de inactividade. De novo ao activo!

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Um Adeus a um "Beatle" que Morreu há 9 Anos - George Harrison

Airbourne

   
Brevemente, o Post it! Music vai fazer um post maior sobre "No Guts. No Glory", o novo álbum dos Airbourne.


Antes disso, vamos fazer uma pequena descrição da banda. Vejo-os como uns novos AC/DC, pois têm uma sonoridade muito semelhante, desde a composição, passando pelos intrumentos, acabando na voz, tudo parece estar influênciada pelos grandes AC/DC, sem serem, no entanto, uma imitação destes.

Os Airbourne são uma banda australiana formada em 2003 pelos irmãos Joel e Ryan O'Keefee (voz/guitarra e bateria, respectivamente). David Roads e Justin Street são os nomes dos outros dois membros.

Se contarmos com o EP "Ready to Rock", os Airbourne lançaram o seu primeiro trabalho em 2004, apesar do primeiro LP só ter sido lançado em 2007 e dar pelo nome de "Runnin' Wild" (por enquanto, quase tudo o que é conhecido desta banda provem daqui).

Numa opinião pessoal, posso dizer que gosto bastante dos Airbourne, são uma forma de manter vivo o espirito e a sonoridade de grandes bandas de outras décadas, dado que os seus integrantes têm idades compreendidas entre os 19 e os 23 anos.

A título de curiosidade, a banda tem promovido as suas músicas de uma forma muito interessante, pois estão presentes nos mais variados jogos de vídeo, filmes e programas.

Ouça aqui algumas músicas deste grupo australiano:

Diamond in the Rough
  


Bottom Of The Well

Dire Straits - Sultans Of Swing (Alchemy Live)

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

BIOGRAFIA - Mão Morta - Parte 2

    
Esta é a 2ª parte do artigo sobre os Mão Morta (leia ou releia a primeira parte aqui).

Chegamos agora a 1992, ano em que a banda se deixa abater, ano em que a banda dá um único concerto em Abril, um concerto pouco emotivo, algo morto.

Mão Morta

Por influência  de Adolfo Luxúria Canibal, os Mão Morta voltam ao estúdio para preparar um novo álbum, este sem a participação de José Pedro Moura que é obrigado a afastar-se por problemas de dependência de heroína, ainda assim o entusiasmo volta e em 1992 é editado o "Mutantes S.21" que é considerado de forma quase automática o melhor álbum do ano.

1993 é talvez o ano mais triunfante, é lançado recentemente o projecto mais célebre dos Mão Morta até à data e a lista de concertos quase não tem fim. "Mutantes S.21" é considerado novamente o melhor álbum do ano e é também o primeiro da banda a ser editado em CD. É então que, em 1994, Carlos Fontes anúncia que vai sair da banda, apesar de dar o tempo necessário a Adolfo Luxúria Canibal para arranjar um substítuto e continuar a actuar enquando fosse preciso.

1994 é também o ano de lanlçamento de "Vénus em Chamas", um CD algo difícil de vender e dos resultados terem ficado algo abaixo do previsto pela editora (BMG). Falando de prémios, em 1195 são nomeados para "grupo nacional do ano" e para "melhor vocalista masculino nacional" (Adolfo Luxúria Canibal) e recebem a "Medalha de Mérito - Grau Prata da Cidade de Braga".

A carreira dos Mão Morta sempre foi marcada por altos e baixos  e 1996 é ,claramente, um ano mau. A carrinha que transportava todos os materiais e instrumentos da banda incendeia-se na ponte 25 de Abril, o que obriga a banda a assinar um contrato de dois álbuns com a editora Norte-Sul (por fornecer instrumentos). Para além disto, o manager da banda, Vitor Silva (que trabalhava com o grupo desde 1996) é afastado por não estar a altura de tão grave acontecimento.

"Há já muito tempo que neste latrina o ar se tornou irrespirável" é o nome de mais um projecto composto por músicas originais, este apresentado em 1998. O álbum não passou de 12º lugar de vendas nacionais, ainda que nesse mesmo ano os Mão Morta tenham enchido por completo o Coliseu dos Recreios num grande e muito elogiado concerto.

Adolfo Luxúria Canibal

Em 2001 é lançado um dos mais famosos ábuns da banda: Primavera de Destroços. É nesta altura que a banda consegue ser cabeça de cartaz de todos os eventos estudantis do país, um marco único. É também neste ano que recebem o mais importante galardão músical português: Prémio de Música Blitz: Carreira. De destacar que o prémio foi recebido por todos os membros e ex-membros do grupo (excepto Zé dos Eclipses por não se encontrar em território nacional), Adolfo Luxúria Canibal ao discursar fez ainda questão de partilhar o prémio com Vitor Silva (passado manager da banda).

Em 2002 foi feita uma reedição de "Primavera de Destroços", o que permitiu aos Mão Morta finalizar o contrato com a "Norte-Sul" e, num projecto entre Miguel Pedro, António Rafae e Luxúria Canibal, forma-se uma editora própria não para edição própria, mas para promover novos artistas portugueses.

Após terem gravado "Nus" (novo álbum), encontrar uma editora não foi tarefa fácil, a EMI e a Universal consideraram o álbum pouco comercial e, consequentemente, pouco vendável. Acabou por ser a "Cobra" a editar "Nus" em 2004, sem qualquer tipo de arrependimento pois foi, de londe, o álbum mais bem sucedido de Mão Morta, superando "Primavera de Destroços". Uma tour extremamente bem sucedida finalizou o lançamento.

Depois 5 anos a trabalharem noutros projectos que não a edição de álbuns originais, aproveitam 2010 para lançar "Pesadelo em Peluche" (review aqui) que entra directamente para o Top 3 de vendas nacionais e ainda para comemorar os 25 anos de carreira.

Ouça aqui mais algumas músicas de Mão Morta:

Tu Disseste



Budapeste

Maroon 5 - Sunday Morning

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

BIOGRAFIA - Mão Morta - Parte 1

    
Quem nunca ouviu falar do célebre Adolfo Luxúria Canibal? Este senhor e a banda Mão Morta são quase como um só e o Post it! Music reservou um espaço para falar deles. Com isto, inauguramos também uma nova secção neste blog, as biografias - artigos sobre artistas ou bandas mais desenvolvidos do que o habitual.

Constituição actual da banda

Em 1985 forma-se uma banda em Braga que dá pelo nome de Mão Morta com Joaquim Pinto, Miguel Pedro e Adolfo Luxúria Canibal. O primeiro concerto acontece no Porto no órfão e, apesar de terem sido bem recebidos, faltou-lhes algo. Falha esta que foi tapada com a entrada de zé dos Eclipses como guitarrista e, por necessidade, Miguel Pedro passou a trabalhar na bateria. Só no fim de 1985 é que os Mão Morta fazem o seu primero cooncerto com os quatro membros presentes.

Foram ganhando fama e sucesso participando em pequenos concursos músicais. Em 1986 os Mão Morta são considerados a melhor banda portuguesa do momento pelo Diário de Notícias e fazem o seu primeiro concerto fora de Portugal (Espanha). 1986 foi um ano agitado para a banda, pois é nesse mesmo ano que Carlos Fortes entra para a equipa como 2º guitarrista. 1987 foi ano marcado por muitos concertos com elevadas audiências e ainda pelos tão merecidos prémios após um período de intenso trabalho.

Em 1988 publicam oficialmente o primeiro álbum de estúdio com nome homónimo à banda e e considerado, quase de imediato, o melhor álbum português do ano.

1989 foi um dos mais marcantes, se não o mais marcante ano do grupo e em particular de Adolfo Luxúria Canibal quando este é levado de urgência para o hospital no fim de um concerto onde corta as coxas com facas em pleno palco com lotação esgotada para assistir a mais um concerto da banda (ainda que este nao tenha sido um dos anos de maior actividade).

Passado este episódio negro, os Mão Morta começam a trabalhar num novo projecto onde Joaquim Pinto, fundador, tem uma presença pouco regular nos ensaios, chegando mesmo a estar uns tempos desaparecido para a banda. Em 1990 é substítuido por José Pedro Moura que se estreia em Aveiro como baixista ofícial da banda. Em Setembro desse mesmo ano é editado o segundo álbum que dá pelo nome de "Corações Felpudos" e é num concerto de apresentação do álbum em Avalade, que aproveitam para mostrar ao público António Rafael como membro oficial (teclas).

Adolfo Luxúria Canibal

 A banda de Adolfo Luxúria Canibal estava a passar por uma fase aúrea e, se por um lado "Corações Felpudos" era considerado o melhor álbum português do ano, por outro no início de 1991 o 3º LP estava pronto. Edição em Julho desse ano. O concerto de apresentação desse 3º álbum, "O.D., Rainha do Rock & Crawl" foi também o último de Zé dos Eclipses que havia sido substítuido por Sapo, também na guitarra.

O grupo voltava em força aos concertos esgotados, o que não acontecia desde 1989 (ainda que sem a mesma intensidade).

Por ser uma banda portuguêsa de grande sucesso e hstória, o Post it! Music decidiu postar este artigo em duas partes. Esta é, portanto, a primeira parte e a segunda será postada brevemente.

Entretanto, ouça aqui algumas músicas de Mão Morta:

Cão da Morte



Arrastando o seu Cadáver

Um grande cantor - Morreu a 24 de Novembro de 1991 - 19 Anos

Gorillaz - "Crystalised" (The xx Cover)

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Foals - Total Life Forever

    
Foals é o nome de uma banda inglesa formada em 2007 e com o primeiro LP lançado em 2008: Antidote.

Chega agora a altura de falarmos sobre o mais recente trabalho, Total Life Forever. Fiel ao seu estilo Indie mas sem esconder influências Pop, Techno e Minimalist, Total Life Forever brinda-nos com 11 músicas, quase todas com uma duração acima de 4 minutos, apesar de "Fugue" com 0:47 minutos.


Antes de uma review mais detalhada, fica aqui a lista de faixas do álbum e uma avaliação global:

1º- Blue Blodd
2º- Miami
3º- Total Life Forever
4º- Black Gold
5º- Spanish Sahara
6º- This Orient
7º- Fugue
8º- After Glow
9º- Alabaster
10º- 2 Trees
11º- What Remains

Avaliação Global: 2,75

Começo por ouvir Blue Blood, a primeira faixa e não fiquei positivamente surpreendido, pois não fiquei, é uma faixa expectável deste tipo de bandas, algo a roçar o banal. Quando passou para Miami as minhas esperanças aumentaram, é uma música muito mais original que a anterior, não excelente, mas indiscutivelmente mais inspirada. Total Life Forever é o primeiro single do ábum com nome homónimo e é, por isso, marcada por um instrumental mais comercial que as anteriores. Dei a mesma nota a esta música e a Miami ainda que com algumas incertezas, Miami é mais agradável de ouvir.

"Pronto, voltámos ao mesmo" - Black Gold não é nada de especial, baixam um pouco as expectativas e chegamos, finalmente, ao segundo e por enquanto último single (Spanish Sahara), música feita para "agradar a gregos e tróianos". Agora um opinião talvez mais pessoal, mas não gostei de "This Orient", chegando mesmo a interrogar-me sobre o que faria ali aquela música... Já suspeitava e depois de ouvir tudo se confirmou, "The Fugue" não é mais do que uma pausa, uma quebra num ábum que, até ver, não estava a ser extraordinário - uma pausa de fraca quaidade, diga-se de passagem.

Quando comecei a ouvir "After Glow" fui confirmar se era mesmo aquela música que estava a ouvir, porque metade da faixa é tão morta e pouco inspirada quanto "The Fugue", ainda que a segunda metade da mesma ganhe ritmo, energia e inspiração.

Depois de ouvir "Alabaster" e "2 Trees" fiquei convencido de que o álbum tinha morrido algumas músicas atrás, em "Spanish Sahara", ainda que o trabalho de bateria de What Remains não esteja mau.

Conclusão: Nada de bom. As primeiras músicas ouvem-se com alguma contade mas "The Fugue" anúncia um trágico fim a Total Life Forever. A partir daqui não há nada que valha realmente a pena. Apesar de não ter achado extraordinário também, gostei mais do "Antidote" (primeiro álbum dos Foals).

Ouça aqui algumas músicas:

Miami



Total Life Forever



Spanish Sahara


Dire Straits - Money For Nothing

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Mão Morta - Pesadelo em Peluche

    
Mão Morta é o nome de uma banda de rock português (um rock peculiar, no mínimo) fundada em Braga em 1985. Este ano celébra 25 anos com o lançamento de um novo álbum chamado "Pesadelo em Peluche". Brevemente farei um post sobre a história da banda, mas para já vou falar um pouco deste novo projecto.

Quem conhece Mão Morta sabe perfeitamente quão macabras são as letras de músicas como "Arrastando o seu Cadáver" ou mesmo o clássico "Cão da Morte". Ao fim de duas décadas e meia a trabalhar, Adolfo Luxúria Canibal resolveu enverdar por letras menos dolorosas, músicas menos violentas e ritmos claramente mais comerciais.


Fica aqui a lista das músicas que fazem parte do álbum e a avaliação do mesmo:

1º- Novelos de Paixão
2º- Teorias da Conspiração
3º- Paisagens Mentais
4º- Biblioteca Espectral
5º- Tardes de Inverno
6º- Como um Vampiro
7º- Penitentes Sofredores
8º- O Seio Esquerdo de R.P.
9º- Fazer de Morto
10º- Metalcarne
11º- Estância Balnear
12º- Tiago Capitão

Avaliação Global: 4

Olhando para as faixas deste CD há dois pontos que saltam imediatamente à vista: Os nomes, muito menos agressivos e menos macabros. O segundo ponto  tem a ver com a duração das faixas (não visível aqui): "Tardes de Inverno" e "Estância Balnear" têm 2:25 e 2:19 respectivamente, já "O Seio Esquerdo de R.P." e "Tiago Capitão" contam com 6:07 e 8:08 minutos.

Ouvi a primeira música e fiquei bastante surpreendido, um estilo muito mais melódico, comercial, leve e mesmo mais alegre do que o habitual, é a música que mais gosto do "Pesadelo em Peluche". "Teoria da Conspiração" perde um pouco e até chegarmos a "Como um Vampiro" não há nenhuma música espectacular, nem nada parecido. A partir daqui o álbum torna-se mais interessante e quero deixar um particular elogio para "Estância Balnear" que tem algumas semelhanças (ainda que tímidas) com "Novelos de Paixão".

Para finalizar, "Tiago Capitão" adopta um estilo progressivo particularmente agradável de ouvir.

Conclusão: Um álbum novo que parece marcar uma nova era numa banda que, durante 25 anos esteve "mergulhada" numa escuridão enorme. Veio ao de cima e mostrou-se mais forte, bom trabalho!

Ouça aqui algumas músicas do "Pesadelo em Peluche":

Novelos de Paixão



Estância Balnear



Tiago Capitão

R.E.M. Losing My Religion

domingo, 21 de novembro de 2010

Bon Jovi - Keep The Faith

Clã

    
Continuando a escrever sobre música portuguesa, está na atura de falarmos um pouco sobre os Clã. Banda portuguesa originária do Porto formada em 1992. Banda muito característica quer pela sonoridade produzida, quer pela inconfundível voz de Manuela Azevedo (vocalista).


 Após se formarem, os Clã estiveram em ensaios e preparações durante mais de um ano e so em 1994 começaram a fazer pequenas apresentações ao vivo para em 1995 assinarem o primeiro contrato discográfico, lançando o seu disco de estreia em 1996: LusoQUALQUERcoisa - álbum de sucesso mediano ainda quando a banda dava os primeiros passos na sua carreira.

Em 1997, no espaço de três semanas gravam o novo álbum: Kazoo, um dos mais bem sucedidos da banda com êxitos nacionais como "Problema de Expressão" ou covers como "I'm Free" - originalmente intrepertado pelos Rolling Stones.

O álbum Lustro (2000) trouxe à banda um novo estatuto como uma das referências nacionais. Lustro tem músicas como "Dançar na Corda Bamba" ou a inesquecível "Sopro do Coração" para além de participações de artistas como Sérgio Godinho ou mesmo Manuel Cruz (Ornatos Violeta).

De salientar o primeiro concerto em nome próprio da banda: realizou-se na Aula Magna e contou com a participação de artistas como Manuel Cruz, Nuno Rafael, Maria João & Mário Laginha e Adolfo Luxúria Canibal (dos Mão Morta).

Em 2004 chega o disco "Rosa Carne", trabaho de qualidade mas que nunca conseguiu o sucesso dos seus dois antecessores e em 2007 lançam "Cintura" depois de algum tempo desaparecidos. O primeiro single de "Cintura" chama-se "Tira a Teima" (poderá ouvir aqui).


Integrantes:

Fernando Gonçalves
Hélder Gonçalves
Manuela Azevedo
Miguel Ferreira
Pedro Biscaia
Pedro Rito


Prémios e Nomeações:

- Prémios Blitz 96: Banda Revelação
- Prémios Blitz 97: Melhor Banda, Melhor Canção (Problema de Expressão), Melhor Voz Feminina
- Prémios Blitz 2000: Melhor Voz Feminina, Melhor Banda e Melhor Álbum (Lustro).
- Globo de Ouro 2001: Melhor Música (Sopro do Coração)


Ouça alguns do maiores singles e sucessos desta banda portuguesa de qualidade:

Problema de expressão



Sopro do Coração



Tira a Teima

sábado, 20 de novembro de 2010

NOTÍCIA - Líder dos Wavves Preso na Alemanha

   
Nathan Williams foi preso por ter sido apanhado com drogas leves no seu carro. Pôde saír em liberdade após ter pago uma fiança de 200 dólares.


Num ato de rebeldia, Nathan terá dito na sua página do Twitter que tinha seis sacos de erva no carro e que felizmente a polícia só encontrou um. Acrescentou ainda que os 200 dólares não eram problema e que ia, por isso, "pedrar-se" novamente.

Jorge Palma (Coliseu 2007) - Frágil

Solomon Burke

    
Tal como prometido aquando da notícia da sua morte, chegou agora a altura de escrever um pouco sobre Solomon Burke.


Burke nasceu a 21 de Março de 1940 na Filadélfia e há quem o trate por "The King of Rock 'N Soul" e foi um conhecido cantor de Soul, Gospel e mesmo Rock.

Cresceu numa família modesta e muito católica e começou a sua vida profissional num programa de uma rádio de música Gospel. O auge da sua carreira foi atingido nos anos 60, altura em que lançou uma rande quantidade de singles. Teve desde então uma batalha na música brilhante e é reconhecido por ter introduzido a música Gospel em estilos mais populares como Soul ou mesmo Rock.

Muitas das suas músicas já foram interpretadas por grandes artistas e bandas como Otis Redding e Roling Stones. Tem uma vastíssima discografia que inclui 25 álbuns de originais e ao vivo (excluindo colectâneas) e entrou para o Rock & Roll Hall of Fame em 2001, onde só os melhores figuram.

Com o passar dos anos, Solomon Burke tornou-se cada vez mais gordo e, a partir de certa altua, os seus concertos passaram a ser dados sentado numa poltrona, uma limitação que passou a marca típica.

Tal como anunciado recentemente, a sua morte aconteceu no dia 10/10/10 no aeroporto de Amsterdão.
Apesar de sofrer de obesidade mórbida considerou-se que morreu de forma natural.

Outro dado cursioso: Burke deixou, antes de partir, 21 filhos, 90 netos e 21 bisnetos.

Ouça aqui alguns dos seus maiores exitos:

Everybody Needs Somebody To Love



Cry to Me



I Can't Stop Loving You

Sade - Is It A Crime (Live from San Diego)

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Mariza

    
Com uma fama cada vez maior e cada vez mais internacionalizada, aquela que é considerada por muitos como a melhor fadista do Mundo, merece, sem qualquer dúvida, um lugar especial no Post it! Music.


Nasceu a 16 de Dezembro de 1973 em Moçambique. Filha de pai português e mãe moçambicana, Mariza esteve perto de não sobreviver após um parto algo complicado aos 6 meses e meio de gestação. Veio para Portugal com apenas 3 anos e, em 1979, a sua mãe abriu um restaurante chamado Zalala na Mouraria, Lisboa. Por este restaurante passaram fadistas de referência, fadistas que levaram Mariza a fazer a sua primeira atuação em público com apenas 7 anos de idade. Segundo a artista, o seu gosto pelo fado surgiu muito nova por influência do pai que ouvia frequentemente este estilo.

Só durante a adolescência começou a ser levada a sério como cantora e antes de se dedicar inteira e profissionalmente ao fado, abordou estilos mais comuns e apreciados pelos mais jovens naquela época como Pop, Soul e Jazz.

Começou a cantar frequentemente no Sr. Vinho (conhecida casa de fados de Lisboa) e no Café Café de Herman José.

Vários anos se passaram até Mariza lançar o seu primeiro álbum e viver um efeito de internacionalização como o que hoje lhe está associado (2001). Fez a sua primeira digressão em 2002 e, a partir daí, o sucesso da fadista tem aumentado exponencialmente. Convém também referir que o seu primeiro DVD foi editado em 2004 e corresponde a um concerto em Londres.

O seu último trabalho data de 2008 (Terra) e tem sido um sucesso um pouco por todo o Mundo. Lançou 5 álbuns, 2 DVDs, um documentário, 8 colaborações (incluindo A Thousand Years com Sting) e foi vencedora ou nomeada para mais de 25 grandes prémios internacionais.

Por fim, e como curiosidade, Mariza foi a primeira artista portuguesa a ser entrevistada no famosíssimo programa Late Night with David Letterman.

Ouça aqui algumas músicas cantadas por Mariza:

Ó Gente da Minha Terra




Barco Negro




Já agora, para quem diz que a Mariza tem uma veia rock, fica também uma interpretação da música Come As You Are - Nirvana (peço descupa pelas falhas de som):




Nota Pessoal: Não sou grande fã de fado nem tão pouco da Mariza, no entanto quero deixar um grande obrigado e aproveitar para salientar a importância desta grande cantora na música portuguesa.

AC/DC - You Shook Me All Night Long

  

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Alice Cooper - Poison

 
Apresento uma novidade para o blog. Músicas soltas!

Ou porque estão na moda, ou porque são clássicos da música, ou porque passo o dia a pensar nelas, há aquelas músicas que apetece partilhar, sem motivo, sem grandes descrições. Está também disponível um novo tópico nos "Temas" chamado Músicas Soltas. Convém acrescentar que todos os dias será acrescentada uma nova música para esta lista.

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

We Are Scientists - Barbara

   
Para quem nunca ouviu falar dos We Are Scientists há um aviso a fazer: Não são britânicos.

Com uma sonoridade parecida a Bloc Party, estamos a lidar com uma banda californiana formada em 2000 pelos músicos Keith Murray (guitarra e voz), Chris Cain (baixo) e Michael Tapper (bateria).

Lançaram 3 EPs e só em 2006 se conseguiram mostrar ao mundo com With Love and Squalor. Em 2008 apresentaram o seu 2º álbum de originais chamado Brain Thrust Mastery e, dois anos depois, chegam com o mais recente trabalho: Barbara.


Para quem ouvir Barbara antes de qualquer outro álbum da banda vai ficar com a sensação de que está a ouvir um álbum de estreia, um álbum que tentou ser um Silent Alarm mas falhou (primeiro álbum de Bloc Party).
  
Pareceu-me, depois de o ouvir uma vez, um álbum de principiantes, num estilo mais amador e menos trabalho que o habitual para o comum Indie numa vertente pós-punk. Não quero com isto dizer que estamos na presença de um álbum fraco, nada disso... Apenas não está ao nível das melhores revelações nesta área.

Talvez valha a pena ouvir os dois primeiros álbuns para perceber que estão uns furos acima de Barbara.

Veja aqui a lista de músicas e respetiva avaliação realizada pelo Post it! Music:

1º- Rules Don't Stop
2º- I Don't Bite 
3º- Nice Guys
4º- Jack & Ginger
5º- Pittsburgh
6º- Ambition
7º- Break it Up
8º- Foreign Kicks
9º- You Should Learn
10º- Central AC

Avaliação Global: 3,25

Curiosamente, Barbara é o mais pequeno dos 3 álbuns, contando com apenas 10 músicas.

Quando comecei a ouvir esta sequência, Rules Don't Stop deixou-me completamente indiferente, não é uma música que fique na cabeça, não impressiona em nada, apesar de não ter deitado por terra as minhas (secretas) esperanças em relação ao que vinha a seguir. Foi então que, ao passar para I Don't Bite, o meu primeiro pensamento foi: "Esta música ficava mesmo bem no Brain Thrust Mastery", um bom pensamento. Após Nice Guys, a forma como Barbara perde ritmo, intensidade e interesse é mais que evidente.

Ao chegar a You Should Learn pensei que não havia mais nada de importante para ouvir. Estava desiludido e a pensar que podiam ter feito melhor, ainda assim já tinha ouvido pior. Central AC põe fim ao álbum com uma energia e ritmo que não ouvia desde Nice Guys. We Are Scientists estão vivos, pensei.

Ouça aqui as 3 músicas com melhor classificação:

I Don't Bite



Nice Guys



Central AC



Download de Barbara aqui.

Esta mensagem foi escrita utilizando o novo acordo ortográfico.

Aphaville

 
Quem nunca ouviu falar dos Alphaville? Banda forte dos anos 80, dedicou-se particularmente ao estilo pop/new wave, aparentemente pouco condizente com as suas origens, alemãs.


Banda formada por 3 músicos:
- Maria Gold
- Bernhard Lloyd
- Frank Mertens

Curiosamente, aquando do lançamento do seu primeiro álbum em 1984 (Forever Young) a banda tinha nome homónimo a este trabalho e só posteriormente adotou o nome atual Alphaville.

Apesar da já grande lista de álbuns e singles lançados, as duas músicas mais conhecidas foram lançadas no primeiro álbum de 1984 e chamam-se Big in Japan e Forever Young.

Infelizmente, hoje em dia os Alphaville vivem muito da fama atingida no passado e das suas duas músicas que, para além de "nunca envelhecerem", estão constantemente a ser alteradas e relançadas por outros artistas.

Com um total de mais de 6 milhões de discos vendidos, a banda alemã esteve em Portugal duas vezes e nenhuma delas coincidiu com uma fase forte da sua carreira. A primeira foi em 1998 no evento Expo 98 e a segunda em Março deste ano no Campo Pequeno.

Ouça aqui os dois temas que imortalizaram este grupo bem como versões mais recentes desses êxitos dos anos 80. 

Forever Young - Alphaville



Forever Young - Jay Z



Big in Japan - Alphaville



Big in Japan - Guano Apes



Download do Best Of aqui.

Esta mensagem foi escrita utilizando o novo acordo ortográfico.  

domingo, 10 de outubro de 2010

NOTÍCIA - Morreu Solomon Burke

  
Morreu hoje (10/10/10) o monstro da música Solomon Burke, um verdadeiro peso pesado da Soul.

A sua morte ocorreu no aeroporto de Schipol na capital holandesa, local onde iria atuar terça-feira.

Soloman atuou a 29 de julho em Cascais acompanhado por Joss Stone. Fica desde já prometido um artigo para breve sobre este grande senhor aqui no Post it! Music. Por agora, veja uma atuação daquela que é, provavelmente, a sua música mais conhecida.

Everybody Needs Somebody to Love

 

Esta mensagem foi escrita utilizando o novo acordo ortográfico. 

quinta-feira, 30 de setembro de 2010

The Cranberries

    
Contam com uma carreira invejável e já têm mais de duas décadas. Dão pelo nome de The Cranberries e são uma das bandas irlandesas mais bem sucedidas da história (superados, por exempo, por U2).

Tal como Skunk Anansie (recentemente postado), esta banda tem a particularidade de ter saido muito recentemente de uma pausa por tempo indefinido.


Surgiram em 1989 com a união de dois irmãos, Mike e Noel Hogan (baixista e guitarrista, respectivamente). Poucos meses depois, Fergal Lamber juntou-se ao projecto que, no seu nome original se chamava The Cranberry Saw Us. Faltava uma vocalista e, após alguns castings, Dolores O'Riordan foi a escolhida (longe de prever que estava prestes a tornar-se na alma da banda).

Depois de um primeiro single mal sucedido, os já The Cranberries não destiram e trouxeram, no segundo single, um dos grandes hits da banda: "Linger". Pouco tempo depois e com o lançamento de "Dreams", a banda irlandesa não poderia mais parar.

A partir desta altura (anos 90), os The Cranberries viveram rodeados de boatos sobre uma possível separação da banda ou um abandono da mesma por parte de Dolores.
O primeiro boato sugiu em 1994, altura do lançamento do álbum "No Need to Argue", um trabalho extramemente bem sucedido que trouxe ao mundo grandes êxitos como "Zombie", aquela que, ainda hoje, é considerada por muitos como a melhor música da banda.

Seguiram-se dois álbuns um pouco mais fracos que os anteriores: "To the Faith Departure" e "Bury the Hatchet". Foi uma fase menos inspirada da banda e foi ainda marcada pelos fortes rumores sobre a sua separação.
Em 2002 as coisas pareciam estar a mudar com o lanlamento de "Wake up and smell the coffee", onde se voltou a ouvir uma inspiração quase nivelada com os primeiros tempos dos The Cranberries. No entanto, este estado de força durou pouco tempo, em 2003 confirmou-se a separação. Uma pausa por tempo indefinido havia sido anunciada.


O ano passado (2009) trouxe os The Cranberries de volta aos palcos com uma turné que correu uma boa parte do mundo e só prova que os fãs ainda não os esqueceram. Espera-se agora que para além do regresso aos palcos possamos ver tambem um regresso aos estúdios o mais cedo possível.

Resta acrescentar que a banda irlandesa ja conta com mais de 42 milhões de álbuns vendidos. Ouça aqui alguns dos seus maiores sucessos comerciais:

Zombie




Dreams




Linger 




Download aqui do Greatest Hits. 

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

NOTÍCIA - U2 em Coimbra - "A maior burla de sempre"

   
"A maior burla de sempre", é assim que o promotor dos concertos que se vão realizar da banda irlandesa no dia 2 do próximo mês. Esta é mesmo considerada uma das maiores burlas alguma vez realizadas no mundo do espectáculo.



Ao que consta, terão sido criados três sites de venda de bilhetes para o concerto. Sites que, após um número avultado de vendas foram apagados da internet. Ainda não se sabe por que valores andam as burlas, no entaonto, sabe-se que os bilhetes chegam a ser negociados a preços até 10 vezes superiores aos tabelados.

As queixas na polícia judiciária têm vindo a aumentar de dia para dis e as investigações vão continuar. A polícia apenas concluiu que o dinheiro das supostas vendas deverá ter sido transferido para contas offshore.

Sting - Symphonicities

 
Começou com os The Police, para posteriormente, brilhar a solo. Sting, cantor e actor de 58 anos apresentou este ano Symphonicities, uma mistura de Sting na sua vertente mais clássica e um fantástico trabalho da Royal Philharmonic Orchestra.


Não se pode, portanto, considerar um álbum de originais. Não há novas composições, podemos mesmo dizer que se trata de mais um Greatest Hits, este com a particularidade de ter uma orquestra a acompanha-lo, em vez de uma norma banda de rock.

Por ser de um artísta deste nível e, por não se tratar de um álbum de originais, o Post it! Music abstem-se de fazer comentarios sobre a qualidade do álbum, ainda que, num opinião pessoal, o considere muito bom.

Fica aqui a lista das 12 músicas deste novo e ambicioso projecto onde podemos encontrar clássicos de Sting como "Englishman in New York" ou mesmo o clássico "Roxanne":

1º- Next to You
2º- Englishman in New York
3º- Every little thing she does is
4º- I Hung my Head
5º- You will be ain True Love
6º- Roxanne
7º- When we Dance
8º- The End of the Game
9º- I Burn for you
10º- We work the Black Seam
11º- She's too Good for me
12º- The Pirate's Bride

Ouça aqui duas músicas bem conhecidas numa versão nova para todos:

Englishman in New York



Roxanne



Download aqui do álbum Symphonicities.

terça-feira, 28 de setembro de 2010

Skunk Anansie - Wonderlustre

   
Skunk Anansie é o nome de uma banda originária do Reino Unido. Esteve em actividade de 1994 a 2001, período em que lançaram 3 álbuns de originais. Juntaram-se novamente em 2009 para fazer um 4º álbum, Wonderlustre é o seu nome.


Skin, controversa cantora e líder de Skunk Anansie voltou da sua carreira a solo para se dedicar a uma banda com a qual todos a identificam.

Um álbum diferente dos anteriores, mas pouco. São 12 músicas e, no decorrer do álbum, há momentos em que parece que estamos a ouvir uma nova banda, até a voz de Skin parece diferentre! Há, no entanto, outros momentos em que parece que se está a ouvir alguma música pertencente a um dos 3 primeiros álbuns.

Uma coisa é facil de perceber neste novo trabalho, é que apesar da típica agressividade dos Skunk Anansie, há músicas compostas para vários públicos. Pessoalmente, penso que a "Over the Love" (faixa 3) facilmente poderia ser confundida com uma música pop/rock de bandas banais. Diria mesmo que, mudando a voz, "Over the Love" poderia perfeitamente ser o novo single dos Kings of Leon. Opiniões.

Há também músicas como "My Ugly Boy" que foge ao estilo das músicas mais antigas, conseguindo do mesmo modo seguir um padrão de qualidade bastante elevado dentro da banda, uma musicalidade agressiva, ao mesmo tempo comercial mas sempre sem cair na banalização fácil de outros temas de Wonderlustre.

Fica aqui a lista das 12 músicas que compõem este álbum e a sua respectiva avaliação feita pelo Post it! Music (avaliação de 0 a 5):

1º- God Loves Only You - 4
2º- My Ugly Boy - 5
3º- Over the Love - 3
4º- Talk to Much - 4
5º- The Sweetest Thing - 4
6º- It Doesn't Matter - 4
7º- You're to Expensive - 3,5
8º- My Love will Fall - 3
9º- You Saved Me - 3,5
10º- Feeling the Inch - 4
11º- You can't always do what you like - 3,5
12º- I will stay but should leave - 3,5

Avaliação Gobal: 3,75

Conclusão: Avaliação postiva para o regresso de Skunk Anansie. Podemos ainda acrescentar que, só não demos uma nota mais elevada a Wonderlustre por já termos como base de avaliação projectos anteriores da banda com uma qualidade ligeiramente superior.

Ouça aqui algumas músicas de Wonderlustre:

My Ugly Boy




It Doesn't Matter




The Sweetest Thing




Download aqui do Wonderlustre.

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Jim Morrison - Três J


Janis Joplin, Jimi Hendrix e, finalmente, Jim Morrison. Foi o último a morrer e o único com uma banda fixa e célebre. Quem nunca ouviu falar dos The Doors?


James Douglas Morrison nasceu a 8 de Dezembro de 1943 e foi um cantor e compositor famoso dos anos 60. Filho de George Morrison e Clara Morrison, ambos funcionários da marinha americana. Pais rigorosos e conservadores, longe do que se viria a tornar Jim Morrison com o passar dos anos.

Por culpa do trabalho dos pais, o seu local de habitação não foi sempre o mesmo, apesar da maior parte da sua infância ter sido passada na Califórnia. Em 1958, entrou para a Alameda High School, acabando, no entanto, por se formar em 1961 na George Washington high school. Em 1962 foi para a Florida State University, tendo também passado a viver com os avós nesta altura.

Algures em 1962/1963, a vida de Morrison passou de uma vida de estudante  para uma vida boémia, vagueando pela Califórnia, frequentou a Universidade da Califórnia em Los Angeles e formou-se em cinema. Devorava livros, não trabalhava, vivia na rua, nos telhados, tudo sem preocupações, quer consigo, quer com a própria família.

Um dia, Jim ter-se-á encontrado com um ex-colega da universidade e, durante uma conversa surgiu a ideia de formarem uma banda de rock. O ex-colega rapidamente entrou em contacto com outros ex-estudantes da universidade de cinema e, em 1965 a banda estava formada, tinham então nascido os The Doors.

Algum tempo antes de começarem as gravações da banda, Jim Morrison começou a ter problemas com álcool e drogas diversas. Há músicas como "Five to One" onde facilmente se percebe o estado de embriaguez do cantor, com a música cantada, literalmente, aos soluços.

Apesar de tudo, Morrison sempre foi muito agarrado à banda e aos membros que a constituiam, pois recusou inumeras ofertas para fazer carreira a solo, algumas envolvendo valores muito elevados para a época.

Em 1971, The Doors decidiram fazer uma pausa por tempo indefinido, o que levou o vocalista da banda a mudar-se com sua eterna namorada, Pamela Courson, para Paris. Infelizmente, a 3 de Julho desse mesmo ano, o grande Jim Morrison morreu na banheira de sua casa. O relatório oficial diz que a causa da morte doi ataque cardíaco. Há, no entanto, duas teorias alternativas: A primeira, e mais prevísivel, diz que morreu de overdose, ainda que não houvesse conhecimento de que Jim usasse drogas pesadas com heroína; A segunda, diz que o lendário artista terá sido morto pelas autoridades norte-americanas.

Seja como for, não será esquecido e está enterrado em Père-Lachaise, famoso cemitério em Paris.

Dos 3 J's falados no Post it! Music, Jim Morrison e os The Doors são quem mais vende, sendo que, actualmente, os valores situam-se nos dois milhões de CDs e DVDs vendidos anualmente em todo o mundo.

Ouça aqui alguns dos grandes êxitos da banda:

Riders on the Storm



Light my Fire



Roadhouse Blues (excelente versão ao vivo, onde se pode ver o comportamento de Jim Morrison)



Download aqui do Greatest Hits dos The Doors.

domingo, 26 de setembro de 2010

Arcade Fire - The Suburbs


The Arcade Fire são uma banda originária do Canadá, nascida em 2003. Lançou este ano o seu terceiro álbum de originais, depois de "Funeral" e "Neon Bidle" chega a altura de "The Suburbs" mostrar o que vale e não ficar para trás.


Uma banda que sempre se caracterizou pelo grande número de instrumentos nas suas músicas e, por aí, "The Suburbs" não desilude.

Como o nome indica, "The Suburbs" fala-nos da vida nos subúrbios das grandes cidades num álbum que consegue misturar uma vertente mais acelerada e eufórica com uma mais introspectiva e intimista.
Há um grande apoio de determinadas músicas na guitarra e piano, fazendo lembrar algumas músicas de outros tempos, anos 80 em particular.

Podemos olhar para o terceiro álbum dos "Arcade Fire" como um meio termo entre o primeiro e o segundo álbum, isto porque não tem um lado tão aternativo e underground como "Funeral" mas também não deverá ter sucessos comerciais como "Black Mirror" de "Neon Bible".
Destaque particularmente positivo para a primeira metade de "The Suburbs" onde podemos ouvir músicas como "The Suburbs" ; "Ready to Start" ; "Modern Man" ; Rococo".

Fica aqui a lista das 16 músicas que compõem este novo trabalho e a respectiva avaliação feita pelo Post it! Music (avaliação de 0 a 5):

1º- The Suburbs - 5
2º- Ready to Start - 4,5
3º- Modern Man - 5
4º- Rococo - 5
5º- Empty Room - 4
6º- City with no Children - 4
7º- Half Light I - 4
8º- Half Light II - 4
9º- Suburban War - 3,5
10º- Month of May - 3
11º- Wasted Hours - 4
12º- Deep Blue - 4
13º- We use to Wait - 4
14º- Sprawl - 3
15º- Sprawl II - 3,5
16º- The Suburbs (continued) - 3,5

Avaliação Global: 4

Conclusão: Vale a pena ouvir, sem quaquer dúvida. Qualquer trabalho realizado pelos Arcade Fire merece atenção, no entanto, "The Suburbs" mostra um trabalho de reflexão e correcção em relação aos dois primeiros álbuns. A juntar a isto temos ainda agumas músicas extremamente inspiradas.

Ouça aqui algumas músicas do álbum "The Suburbs":

The Suburbs



Modern Man



Rococo



Download de "The Suburbs"aqui.

sábado, 25 de setembro de 2010

Jimi Hendrix - Dois J

   
Tal como prometido, aqui fica um post sobre o segundo J, Jimi Hendrix, um grande artista que faleceu também aos 27 anos.


James Hendrix nasceu a 27 de Novembro de 1942 em Seattle e foi um dos maiores guitarristas e cantores dos anos 60. Tem uma grande legião de fãs e ainda hoje é considerado por muitos como o melhor guitarrista da história.

Hendrix teve uma infância complicada, tomava conta do irmão e ainda sofreu com o divórcio dos pais e com a morte da mãe em 1958. Chegou a aliastar-se no exército, mas saiu em menos de um ano para se dedicar à música. Inicialmente teve um percurso comlicado, serviu de músico de apoio de grandes nomes do Soul e Blues em 1965, ano em que assinou o seu primeiro contrato de gravação.

Em 1966 formou a sua própria banda, Jimmy James and the Bue Flames. Durante um concerto, Chas Chander, baixista dos The Animals, ao ver a actuação de Jimi Hendrix, levou-o para Inglaterra para assinar um novo contrato de gravação com uma nova banda denominada The Jimi Hendrix Experience.

A banda atingiu o seu ponto alto em 1967, dado que no ano seguinte, divergências pessoais com Noel Redding (membro integrante da banda), assim como o abuso de álcool e drogas, tornaram muito complicada uma digressão pela Escandinácia, envolvendo prisões e outras situações pouco positivas. A fanda desfez-se em 1969 após uma fase de degradação constante de Jimi Hendrix e um aumentar de problemas em relacionar-se com Redding.

Hendrix passou por uma fase em que os próprios fãs o desprezavam, possivelmente por ter sido acusado inumeras vezes de ser arrogante.

Ainda em 1969, formou-se uma nova banda chamada Gypsy Suns and Rainbows com o objectivo de tocar no festival de Woodstock. Hendrix passou por uma das piores actuações da sua carreira, um concerto mal tocado, pouco ensaiado e um som desafinado e quase imperceptível fizeram a plateia esvaziar aos poucos. Gypsy Suns ans Rainbows foi um projecto com vida curta e, em 1970, Jimi Hendrix já tinha nova banda formada, Band of Gypsys era o seu nome e serviu para realizar, provavelmente, os melhores concertos da carreira do guitarrista.

Jimi Hendrix morreu em Londres após ter passado a noite numa festa. Apesar de não haverem provas do que realmente aconteceu, acredita-se que se tenha tratado de suicídio. Com uma carreira muito curta, deixou um vasto e variado trabalho que, ainda hoje, podemos ouvir com agrado.

Ouça aqui algum do seu trabalho:

Voodoo Chile



Hey Joe



Trash Man



Faça aqui download do seu Greatest Hits. 

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Janis Joplin - Um J

Costuma-se dizer que existiram 3 J's importantes na música, ambos morreram com 27 anos: Jim Morrison, Jimi Hendrix e Janis Joplin. No Post it! Music vamos falar sobre todos. Comecemos pela única senhora do trio.


Janis Lyn Jopin nasceu a 19 de Janeiro de 1943 em Port Arthur e foi uma famosa cantora e compositora dos anos 60.

Cresceu a ouvir grandes músicos de Blues e a cantar em coros locais. Estudou na Jefferson High School em 1960 para, posteriormente, seguir para a Universidade de Texas e começar a cantar enquanto artista. Trabalhou como cantora Folk depois de se ter mudado para San Francisco em 1963.

Foi nessa época que surgiram os primeiros problemas da cantora com drogas (pesadas) e álcool. Após uma recuperação em 1966, Janis Joplin voltou à sua carreira, enverdando por um estilo mais Blues, ainda que, passado 3 anos (1970) os problemas dos vícios de Joplin tenham chegado a um estado incontrolável e, nesse mesmo ano, acabou por morrer de overdose em Los Angeles. Foi cremada e as suas cinzas espalhadas pelo oceano passífico.

Marcou uma geração, um estilo, uma era na música e não será, de certo, esquecida. Ouça aqui algumas das suas músicas.

Piece of My Heart




Cry Baby




Try



Já agora, fica também um video da Diana Piedade no programa Idolos, onde interpreta Piece of my Heart com mérito.




Faça aqui o download do seu Greatest Hits.

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Rui Veloso - O Pai do Rock


Já vai em 30 anos de carreira e é considerado o pai do rock português. É um bom argumento para iniciar uma nova secção do blog: "Música Portuguesa" (ver Temas).


Rui Manuel Gaudêncio Veloso é o nome completo do conceituado músico portguês de 53 anos (n. 30/07/1991, Lisboa). Para além de cantar, toca piano e guitarra acústica.
Começou a sua carreira em 1980 com uma banda de garagem chamada Magara Blues. É fã assumido de Eric Capton e B.B. King (com quem já acutou duas vezes em Portugal). No estrangeiro tem ganho reputação como um verdadeiro "Bluesman".

Conta com 9 álbuns de originais (Ar de Rock; Fora de Moda; Guardador de Margens; Rui Veloso; Mingos & Os Samurais; Auto da Pimenta; Lado Lunar; Avenidas e A Espuma das Ondas). Como a maioria dos artistas que ainda se encontram no activo, as melhores músicas (ou pelo menos as mais características) podem ser encontradas nos aos 80 e 90 e estão compiladas em "O Melhor de Rui Veloso - 20 Anos Depois (2000).

Em 2008 lançou, em conjunto com os Per7ume, o tema Intervalo, uma das músicas mais ouvidas nas rádios aquando do seu lançamento.

Ouça aqui alguns dos maiores sucessos de Rui Veloso:


Chico Fininho



Não há Estrelas no Céu



A Paixão



Jura



Intervalo (com os Per7ume)



Fica aqui o link para download da colectânea anteriormente referida.